quinta-feira, 5 de Junho de 2008

Memorial de Convento - Liguagem, Estrutura e Narrador



"Cada frase, ou discurso, ou o periodo, cria-se dentro de mim mais como uma fala do que como uma escrita. A possibilidade da espontaneidade, a possibilidade do discurso em linha recta, enfim, a direito, é muito maior do que se eu me colocasse na posição de quem escreve. No fundo, ao escrever estou colocado na posição de quem fala."

José Saramago, in Conversas, Mário Ventura, Publ.Dom Quixote, 1986

Estrutura:
-A obra esta dividida em 24 capitulos, apesar destes não estarem numerados ou titulados.



Narrador
- Geralmente, é HETERODIEGÉTICO (surge na terceira Pessoa e não participa na acção)

quarta-feira, 21 de Maio de 2008

Zeca Afonso - Os vampiros

Os Vampiros
Zeca Afonso



No céu cin zento sob o astro mudo
Batendo asasas pela noite ca lada

Vêm embandos com pés ve ludo
Chupar osangue fresco da ma nada
Se alguém se en gana com seu ar sisudo
E lhes fran queia as portas à che gada
Eles comemtudo eles comemtudo
Eles comemtudo e não deixamnada [bis]

A toda a parte chegam os vampiros
Poisam nos prédios poisam nas calçadas
Trazem no ventre despojos antigos
Mas nada os prende às vidas acabadas

São os mordomos do universo todo
Senhores à força mandadores sem lei
Enchem as tulhas bebem vinho novo
Dançam a ronda no pinhal do rei

Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

No chão do medo tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos na noite abafada
Jazem nos fossos vítimas dum credo
E não se esgota o sangue da manada

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhe franqueia as portas à chegada
Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

Felizmente Há Luar!



Características da obra:
- personagens psicologicamente densas e vivas
- comentário irónicos e mordazes
- denuncia da hipocrisia da sociedade
- defesa intransigente da justiça social

Teatro épico - drama que pretende analizar contexto social, mostrando a possibilidade de resolução das desgraças por parte do espectador.

Efeito de distanciação - processo (estratégia do teatro épico que consiste em causar no espectador um efeito de estranheza de modo a levá-lo a reflectir sobre aquilo que vê e agir, posteriormente na sociedade e, que se intrega.

Personagens do Felizmente há luar!
- governadores
- povo
- delactores

Os Lusiadas - Imagens




Estrutura Externa d'Os Lusiadas.



A obra divide-se em dez partes, às quais se chama cantos. Cada canto tem um numero variavel de estrofes(em média de 110). O canto mais longo é o X, com 156 estrofes.
As estrofes são oitavas, portanto constituídas por oito versos. Cada verso é constituído por dez sílabas métricas; na sua maioria, os versos sao héroicos (acentuados nas sextas e décimas sílabas).
O esquema rimático é o mesmo em todas as estrofes da obra, sendo portanto, rima cruzada nos seis primeiros versos e emparelhada nos dois últimos (AB-AB-AB-CC).

quarta-feira, 5 de Março de 2008

terça-feira, 4 de Março de 2008

D.Dinis Rei de Portugal

D. Dinis, Rei de Portugal
Ordem: 6.º Rei de Portugal

Cognome(s): o Lavrador, o Rei-Agricultor,
o Rei-Poeta, o Rei-Trovador
Início do Reinado: 16 de Fevereiro de 1279

Término do Reinado: 7 de Fevereiro de 1325

Aclamação: 1279

Predecessor: D. Afonso III

Sucessor: D. Afonso IV

Pai: D. Afonso III,

Mãe: D. Beatriz de Castela

Data de Nascimento: 9 de Outubro de 1261

Local de Nascimento: Santarém

Data de Falecimento: 7 de Fevereiro de 1325

Local de Falecimento: Lisboa

Local de Enterro: Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, Odivelas

Consorte(s): Rainha Santa Isabel, Infanta de Aragão

Príncipe Herdeiro: Infante D.Afonso (filho)

Dinastia: Borgonha (Afonsina)

Pinhal de Leiria

A articulação entre o norte e o sul do país - este sul que se torna alvo da maior atenção e permanência dos reis - fazem de Lisboa centro giratório para tornar Portugal viável. Entre o norte, onde a malha senhorial é mais densa e apertada, e o sul, onde o espaço vasto conquistado aos mouros implanta sobretudo os domínios régios e as ordens militares, assim como vastos espaços de res nullius e torna Portugal um reino onde duas realidades diferentes se complementam.

Portfólio - Definições

Um mito (“mithós”) é uma narrativa tradicional com carácter explicativo e/ou simbólico, profundamente relacionados com uma dada cultura e/ou religião. O mito procura explicar os principais acontecimentos da vida, os fenómenos naturais, as origens do Mundo e do Homem por meio de Deuses, semi-deuses, heróis (todas elas são criaturas sobrenaturais). Pode-se dizer que o mito é uma primeira tentativa de explicar a realidade.

Um latifúndio é uma extensa propriedade rural onde existe uma grande proporção de terras não cultivadas e são exploradas com tecnologia obsoleta e de baixa produtividade.

História – Narração de acontecimentos ou factos dignos de memória, estudo ou conjunto de fenómenos naturais ou científicos, estudo das origens e progressos de uma arte ou ciência, biografia de uma personagem célebre/ Conto, narrativa/ Negócio/ aventura/ Fábula, patranha.